quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Violência de gênero nas universidades

Ao contrário do que muitos imaginam, a universidade não é um lugar seguro, pelo menos não para as mulheres. Segundo a pesquisa do Data Popular encomendada pelo Instituto Avon em 2015, 67% das alunas sofreram algum tipo de violência no ambiente universitário, enquanto 28% das entrevistadas foram vítimas de violência sexual (tocar o corpo da vítima sem seu consentimento, cometer estupro quando a vítima está embriagada etc.).

Talvez o dado mais alarmante seja que 27% dos alunos do sexo masculino não consideram violência tentar abusar da mulher quando ela está sob o efeito de álcool.

No artigo “Por que os homens não amam as mulheres?”, publicado no Jornal da USP, a professora de Sociologia e ex-senadora Eva Blay chama a atenção para o fato de que a universidade está inserida na sociedade machista em que vivemos, portanto seria ilusão imaginar que as pessoas agiriam de forma diferente dentro dos muros das universidades.

Leia também: Estupro: a ponta do iceberg


Assim, independentemente do curso, as universidades não podem se isentar de discutir violência de gênero e criar medidas para que seus alunos deixem de reproduzir o machismo que aprenderam lá fora. Afinal, a universidade deve ser um espaço de aprendizado e questionamento, um local que forme não apenas profissionais competentes em suas áreas, mas cidadãos.

Para isso, medidas de combate à violência de todos os tipos, como a humanização dos trotes, devem fazer parte do dia a dia das universidades.

Para que o assédio cometido por alunos, professores e funcionários deixe de ocorrer é preciso estimular as denúncias, criando centros que acolham as vítimas e encaminhem as acusações aos órgãos competentes, e que os responsáveis sejam devidamente punidos não apenas pela Justiça, mas também pela universidade.

No entanto, se a sociedade e a Justiça não fazem sua parte, de nada adiantam as denúncias. Há alguns anos, o estupro cometido por um aluno da USP se tornou um caso emblemático da violência a que as mulheres estão submetidas dentro das universidades.

A vítima relatou ter sido dopada e estuprada ao usar o banheiro que se localizava dentro do dormitório do aluno da Faculdade de Medicina da USP Daniel Tarciso da Silva Cardoso, na Casa do Estudante, no bairro de Pinheiros (SP). Apesar de exames médicos comprovarem a violência sexual, o juiz Klaus Marouelli Arroyo considerou, em 17/02/2017, que não houve o estupro, pois as acusações são inconsistentes e a vítima entrou no quarto de Daniel por “livre e espontânea vontade”, segundo matéria da Ponte Jornalismo.

Daniel, hoje médico formado, mas ainda sem registro para exercer a profissão, responde a mais 6 acusações de estupro em que as vítimas afirmam ter sido dopadas.

Enquanto desmoralizarmos e desacreditarmos as vítimas para proteger homens que usam a violência contra a mulher como modus operandi, os casos de abuso sexual e estupro continuarão existindo. Hoje não há nenhum ambiente de fato seguro para as mulheres.


*Publicado originalmente na página do "Quebrando o Tabu"

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Gênero e inteligência

Um estudo feito por pesquisadores de várias universidades americanas e publicado na revista Science revelou aquilo que observadores atentos já perceberam: as meninas se acham menos inteligentes do que os meninos.

Os pesquisadores realizaram diversos testes com 400 meninos e meninas de 5 a 7 anos. No primeiro, contavam uma história de uma pessoa (sem gênero definido) muito inteligente e pediam para que as crianças a relacionassem a um dos quatro adultos, dois homens e duas mulheres, apresentados a elas.

As crianças de até 5 anos associavam de maneira semelhante o próprio gênero à inteligência. Contudo, a partir dos 6 anos, as garotas se mostraram menos propensas a fazer essa ligação, e a maior parte escolheu a figura dos dois homens como “mais inteligente”.

Leia também: Jornada dupla

O estudo corrobora dados de outra pesquisa, feita no Brasil pela ONG britânica Plan International com 1.948 meninas de 6 a 14 anos, que revelam que 40% das meninas do país discordam que são tão inteligentes quanto os meninos.

Sabemos que as garotas não são criadas da mesma maneira que os garotos. Enquanto elas são tratadas como “princesas” e estimuladas a brincar de boneca e a se comportar bem, eles são incitados a praticar esportes e atividades que envolvam perigo e aventura. Aprendem, assim, a arriscar-se e a desenvolver confiança em si mesmos.

Na adolescência, também há regras sociais diferentes para os dois gêneros. Eles, em geral, recebem permissão para sair sozinhos mais cedo, namoram e transam livremente e usufruem de uma liberdade da qual a maioria das meninas não chega nem perto ou se chega, o faz escondido.

O controle sobre o corpo da mulher se dá de muitas maneiras. As mais notáveis são o excesso de cobrança pela beleza física idealizada, que inclui padrões inatingíveis para muitas, e o controle de sua sexualidade, ao negar-lhes o acesso aos direitos reprodutivos plenos.

As mulheres adultas ocupam a minoria dos cargos de chefia. Enquanto apenas 12% dos homens da América Latina não têm nenhuma fonte de renda pessoal, 33% mulheres estão na mesma situação (dados: Cepal, 2014), o que as deixa em situação de dependência econômica.

No que tange a questão da representatividade, as meninas e mulheres, principalmente as negras, têm bem menos exemplos de mulheres bem-sucedidas, independentes e inteligentes para se espelhar em filmes, livros, novelas e outras representações.

Tudo isso mina a autoestima e a autoconfiança das mulheres. Não à toa, temos cobrado mudanças que ajudem a construir uma sociedade menos machista, pois sabemos o quanto ela pode ser nociva às meninas. Talvez apenas não soubéssemos que o estrago começasse tão cedo.

*Texto originalmente publicado na página "Quebrando o Tabu"

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Jornada dupla

“Jornada dupla” é o termo comumente usado para caracterizar a função da mulher que trabalha fora e ainda cuida da casa e dos filhos.

Segundo dados da pesquisa realizada pela organização internacional Plan, que defende os direitos das crianças, a jornada dupla das mulheres do país começa ainda na infância.

Realizada com 1.771 meninas de 6 a 14 anos das cinco regiões do país, a pesquisa “Por ser menina no Brasil: crescendo entre direitos e violências” traz resultados assustadores sobre a desigualdade de gênero dentro dos lares brasileiros.

Leia também: Mulher cuida, homem ajuda

Na ausência da mãe, são as meninas que desempenham as tarefas domésticas, mesmo que elas tenham irmãos para ajudá-las. Vamos a alguns dados: 81,4% das meninas entrevistadas arrumam a própria cama, enquanto 11,6% dos irmãos meninos executam a mesma tarefa; 76,8% lavam a louça, ante 12,5% dos irmãos; 65,6% limpam a casa, embora apenas 11,4% dos irmãos dividam o trabalho; 41% das meninas cozinham, diante de 11,4% dos irmãos. Apesar da pouca idade, 34,6% das entrevistadas ajudam a cuidar dos irmãos menores na ausência dos pais, mas somente 10% dos irmãos meninos as auxiliam na função.

Quando interrogadas sobre quem cuida delas no dia a dia, embora pudessem citar mais de uma pessoa, 76,3% apontaram a mãe como cuidadora, enquanto 26,8% responderam que o pai assumia a tarefa.

Ocupadas com o trabalho doméstico, essas meninas não têm tempo para estudar e brincar, sendo obrigadas a assumir sozinhas responsabilidades para as quais não têm, na maioria das vezes, maturidade.
Que futuro terão? Como podemos falar em liberdade e mudança de papéis sociais, se condenamos meninas a seguirem exatamente o mesmo caminho que suas avós e bisavós?

Além de privarmos nossas meninas de diretos, deixamos de ensinar os meninos a desenvolver autonomia e participar da educação e dos cuidados dos filhos, perpetuando um círculo de exploração e desigualdade de gênero, além de legitimarmos a ausência dos futuros pais.

Nada pode ser mais cruel do que aprisionar as meninas desde tenra idade dentro de casa, sem direto à educação plena e ao lazer, aprendendo que a única opção é cuidar sozinhas da família e trabalhar fora para sustenta-la, até que tenham filhas para substituí-las.

*Texto originalmente publicado no site "Casa da Mãe Joanna"

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Ni una menos

[TW: estupro]



A imagem da argentina Lucía Pérez não me sai da cabeça. Talvez por eu ter filha e sobrinha adolescentes, quem sabe por eu mesma já ter levado no rosto o sorriso despreocupado e a leveza de quem, aos 16 anos, ainda não conhece o mundo.

Lucía foi sequestrada, obrigada a consumir doses altas de cocaína e maconha, estuprada e morta por empalamento com uma estaca de madeira por dois homens, em Mar del Plata.

Não há adjetivos cruéis o suficiente para qualificar o assassinato. Nenhuma palavra parece dar conta da violência a que a jovem foi submetida. No entanto, o crime não choca apenas pela estranheza, mas pelo motivo oposto. Apesar de bárbaro, ele é incrivelmente banal.


Leia também: A cultura do estupro

Os crimes sexuais na Argentina aumentaram 78% entre 2008 e 2015, segundo o Ministério da Segurança do país, e Mar del Plata é o município argentino com maior número de condenações por exploração sexual.

Movidas pelos altos índices de violência de gênero e pela morte de Lucía, as argentinas convocaram uma paralisação nacional para esta quarta-feira, 19/10. Espera-se uma mobilização nunca vista, uma tentativa de dar um basta à violência contra a mulher.

No Brasil, a situação também é muito grave. Somos o quinto país que mais mata mulheres por motivações de gênero (feminicídio), de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgou que em 2014 houve um estupro notificado a cada 11 minutos. Considerando que apenas 30% a 35% dos estupros são comunicados, é possível estimar que haja um caso de estupro por minuto no país.

Se por um lado o estupro é condenável, por outro a sociedade o tolera e o justifica. Tanto que pesquisa encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e realizada e divulgada este ano pelo Datafolha revelou que um em cada três brasileiros acredita que a culpa do estupro é da mulher. Existe outra forma mais eficiente de aceitar um crime do que responsabilizar a vítima?

Sim, existe: fazer com que esse mesmo crime esteja intrínseco na cultura do país. O estupro está presente em toda brincadeira entre jovens que riem quando um colega diz que vai “arregaçar” uma mulher na cama, em cada vez que aceitamos a justificativa de que a vítima havia bebido demais, todas as vezes em que permitimos que homens assediem mulheres nas ruas e lhes toquem o corpo sem seu consentimento, sempre que aceitamos que se refiram às mulheres como ornamento disponível ao homem.

É urgente combater a cultura do estupro. Isso só vai ocorrer quando não tolerarmos mais tudo o que vem antes do crime, aquilo que o estimula e o permite.

A pior coisa que podemos fazer por Lucía Pérez é aceitar que o ocorrido com ela foi uma fatalidade, um crime cometido por dois psicopatas. Não foi. E é exatamente por sua trivialidade que devemos nos mobilizar.

  

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Odor vaginal: por que ainda o tememos?

Muitas mulheres têm vergonha e dificuldade em aceitar que a vulva tem odor característico. Assim, valem-se de uma infinidade de produtos e medidas para disfarçá-lo, podendo, com isso, comprometer a saúde ginecológica.

A dra. Renata Lopes Ribeiro, médica assistente da Clínica Obstétrica Fetal do Fleury e da Maternidade São Luiz, ambas em São Paulo, esclarece as principais dúvidas sobre o tema:


1) Toda vagina tem odor? Por que ele ocorre?
A vagina elimina naturalmente secreções e odores resultantes do processo fisiológico de renovação celular, por isso toda mulher tem secreção e odor vaginal. Na maioria das vezes, esse odor é suave, pouco perceptível e pode mudar de intensidade e característica de acordo com as fases do ciclo menstrual.

2) Como saber se o odor vaginal indica a presença de algum processo infeccioso?
É muito importante que as mulheres saibam que toda vulva tem um cheiro natural característico, e que não há nada de errado nisso. Porém, o odor vaginal pode indicar infecção caso mude suas características habituais, fique muito intenso e esteja acompanhado de outros sintomas como coceira, ardência, corrimento vaginal (especialmente de coloração amarelada ou esverdeada) ou incômodo ou dor durante a relação sexual. Nesses casos, os sintomas podem indicar um desequilíbrio na flora vaginal e a presença de processos infecciosos que podem precisar de tratamento ginecológico.

3) O que fazer na presença desses sinais e sintomas?
Esses são sintomas de alerta, por isso é recomendado que, na sua presença, a mulher procure um ginecologista para avaliação. Corrimento e odor forte podem indicar desde infecções mais leves, causadas por fungos e bactérias que se proliferam quando há um desequilíbrio da flora vaginal, até doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia e gonorreia. Menos comumente, esses sintomas surgem devido à retenção de objetos, como absorvente íntimo ou camisinha, no interior da vagina.

4) As duchas vaginais são indicadas para a higiene vaginal? Por quê?
Para eliminar o odor vaginal e se sentir mais limpas, algumas mulheres recorrem às duchas vaginais com os mais diferentes produtos. Porém, elas não são recomendadas, uma vez que podem alterar a flora vaginal, atrapalhando a defesa do organismo, além de favorecerem a ascensão de micro-organismos de fora para dentro da vagina. Também podem, dependendo da intensidade, causar microlesões na mucosa vaginal.

5) O uso de sabonetes e lenços íntimos é recomendado para a higiene íntima?
Os sabonetes íntimos normalmente possuem pH mais ácido (entre 4,5 e 5,5), que se assemelha ao pH vulvar, e são hipoalergênicos. São dispensáveis, ou seja, não são necessários para realizar a higiene íntima adequada. No entanto, algumas mulheres se sentem bem ao usá-los, e podem fazê-lo desde que não os utilizem mais de uma vez ao dia, pois seu uso excessivo pode remover a proteção local e desidratar a pele e a mucosa vaginal.

O uso de lenços íntimos, por sua vez, pode ser um recurso útil quando a mulher não estiver em casa, mas é importante evitar ficções intensas e o uso demasiado.

6) O absorvente diário (protetor de calcinha) ajuda a evitar o odor vaginal?
O uso de absorvente diário é um hábito relativamente comum entre as mulheres, para evitar que a secreção vaginal fique na roupa íntima. Porém, essa prática dificulta a ventilação da área íntima e favorece a multiplicação de bactérias e fungos, portanto deve ser evitada.

7) Como higienizar a região íntima corretamente?
A higienização da vulva (região externa) deve ser feita uma vez ao dia durante o banho, sem fricções intensas, com água e sabonete neutro, durante um a três minutos. Dê preferência a sabonetes sem muita atividade detergente, sem perfume exagerado e que não tenham pH muito ácido. Os sabonetes de glicerina são uma boa opção. Sabonetes com muitos produtos químicos podem predispor a reações alérgicas. Evite, também, o uso de buchas e esponjas.

A higiene excessiva pode piorar o odor vaginal, pois remove a proteção natural local, predispondo a infecções e reações alérgicas.

8) Algumas mulheres reclamam de odor forte durante a menstruação. Como evitá-lo?
A higiene íntima não precisa ser alterada durante o período menstrual. No entanto, é preciso trocar os absorventes internos ou externos com frequência, pois se o tempo de troca não for respeitado, o sangue se acumulará no absorvente, podendo ocasionar mau cheiro.

9) Roupa justa ajuda a intensificar o odor vaginal? Qual a roupa íntima mais indicada?
A roupa muito justa dificulta a circulação de ar no local, o que predispõe ao acúmulo de fungos e bactérias que podem favorecer infecções e causar odor desagradável. Prefira roupas mais largas e opte por calcinhas de algodão.

10) É comum o odor diferir de uma mulher para outra? O que é possível fazer para reduzir o odor mais intenso?
Certas características individuais podem fazer com que algumas mulheres tenham um odor mais intenso, tais como: 1) transpiração excessiva: nesse caso, recomenda-se a troca mais frequente de roupa íntima e que se dê preferência para peças de algodão; 2) obesidade: as dobras da pele podem acumular secreções, pois isso é indicado que se dê atenção especial a essas áreas, mantendo-as sempre limpas e secas; e 3) alimentação: algumas mulheres relatam mudança no odor vaginal quando ingerem alimentos como determinados peixes, alho ou certos suplementos. No entanto, isso é pouco comum e basta evitar o consumo desses alimentos para que o odor volte às suas características habituais.

Sexo Oral
Se toda mulher tem odor na região íntima e essa é uma característica natural e fisiológica, por que tantas mulheres não se sentem à vontade durante o sexo, especialmente por terem vergonha do próprio cheiro?

Um número muito alto de mulheres desconhece o próprio corpo e sua sexualidade. A pesquisa Mosaico 2.0, divulgada em 2015 e coordenada pela psiquiatra Carmita Abdo, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), entrevistou 3 mil pessoas entre 18 e 70 anos de sete regiões metropolitanas do país. Os dados revelam que 40% das mulheres não têm o hábito de se masturbar e 19,5% nunca o fizeram. Já entre os homens, apenas 17,3% não praticam a masturbação habitualmente.

Assim, não é surpresa que 44,4% das mulheres relatem algum grau de dificuldade em atingir o orgasmo e que sejam comuns as queixas de falta de libido nos consultórios médicos.

Por que isso ocorre? A resposta é simples: a desigualdade de gênero, comum à nossa cultura, limita a expressão da sexualidade feminina, que historicamente sempre foi reprimida.

Sem se conhecer nem saber o que de fato lhe dá prazer, como as mulheres podem se aceitar e desenvolver todo o potencial da sua sexualidade, ainda mais considerando que muitas sequer se julgam merecedoras do prazer sexual?

As meninas aprendem desde cedo que se tocar é algo feio e sujo, que deve ser evitado. Os adultos não costumam conversar com elas sobre a importância do prazer sexual e como é possível chegar a ele. Portanto, elas crescem sem estabelecer uma relação de intimidade com o próprio corpo.

Na vida adulta, a desigualdade entre homens e mulheres chega à cama. Elas temem ser julgadas por determinadas atitudes e comportamentos, o que limita o prazer sexual. São poucas as que conseguem expressar suas vontades e desejos com naturalidade, assim como são raros os homens dispostos a atendê-los.

Portanto, ainda é comum que a mulher e a vagina sejam vistas apenas como meios de dar prazer ao homem e trazer os filhos ao mundo. O órgão sexual feminino é tido como feio, desconhecido, algo que não deve ser encarado e aceito. A enorme quantidade de produtos que prometem diminuir e disfarçar o odor vaginal à disposição nas farmácias e drogarias são a prova de que a sociedade ainda não sabe lidar e aceitar o corpo feminino.

Outra pesquisa realizada em 2015 no estado de São Paulo, essa pela empresa Sex Wipes, com 1.252 homens heterossexuais e sexualmente ativos de 18 a 30 anos, revelou que 43% (4 em 10) não realizam sexo oral nas parceiras, embora 78% afirmem receber. Dos que o praticam nas companheiras, 35% dizem não gostar de fazê-lo. O motivo? Nojo: da aparência, do cheiro e da umidade da vulva.

Não há explicação lógica para alguém sentir nojo da pessoa que o atrai sexualmente que não envolva aspectos culturais machistas que nos distanciam, homens e mulheres, do corpo e da sexualidade feminina.


*Texto originalmente publicado no site Drauzio Varella

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Mães meninas

As meninas mais pobres têm maior risco de engravidar do que as mais ricas. É o que revela a pesquisa Pense 2015 (IBGE), feita com estudantes do 9° ano do ensino fundamental de todo o país.

Os dados mostram que 27,5% (723,5 mil) dos alunos do 9° ano, que têm em média 14 anos de idade, já mantiveram relações sexuais: 36% dos meninos e 19,5% das meninas.

Das meninas que fizeram sexo, 9% declararam ter engravidado alguma vez, o que representa 23.620 meninas. Dessas, a maioria cursava a rede pública (9,4%). Apenas 3,5% das meninas que já engravidaram frequentavam a rede privada de ensino.

Mas por que as meninas de classes sociais menos favorecidas ainda engravidam mais do que as de classe média e ricas, se quase 90% dos alunos afirmaram receber informações sobre gravidez e saúde sexual? A resposta é simples: informação por si só não é suficiente.


Leia também: Elas não usam camisinha
Em primeiro lugar, pensemos apenas no que oferecemos às meninas e deixemos os rapazes de lado, pois é sabido que os homens, tanto os mais ricos quanto os mais pobres, em geral se importam pouco com a contracepção, embora essa devesse ser tarefa de todos, homens e mulheres.

Proporcionamos às mais ricas uma educação de melhor qualidade, que lhes permite criar expectativas em relação ao futuro, além de mais oportunidades. Assim, sonhos e planos como viajar, entrar em uma faculdade, conhecer outros lugares e pessoas e aprender novas habilidades quase sempre antecedem o desejo da maternidade.

Quando essas meninas entram em idade fértil, conversamos com elas sobre sexo e as levamos ao ginecologista, que passa a acompanhá-las com frequência e a orientá-las na escolha do melhor método anticoncepcional, a que certamente terão acesso.

Se os anticoncepcionais por acaso falharem, pagamos-lhes o aborto em clínicas onde podem contar com médicos que lhes garantam segurança. Para as mulheres de classe social mais alta, a criminalização do aborto pode ser resolvida com dinheiro.

As meninas mais ricas não se sentem socialmente pressionadas a engravidar; suas amigas não têm filhos e a elas são oferecidos vários papéis sociais que não o de mãe.

Com um ou mais filhos nos braços, as meninas de classes sociais mais baixas que mal saíram da infância não conseguem dar seguimento aos estudos, tampouco melhorar as condições de vida da família. Acabam destinadas a serviços mal remunerados, de onde tiram o sustento dos filhos, muitas vezes sem nenhum apoio.

Para as mulheres de classes mais abastadas, a maternidade é, na maioria das ocasiões, uma escolha e não um destino do qual não se pode fugir. Por que aceitamos condenar as mais pobres a uma realidade que evitamos para nossas filhas?


*Texto originalmente publicado na página do "Quebrando o Tabu"

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Homens e a mania dos nudes sem consentimento

Imagine que você tenha acabado de acordar e de tomar café da manhã e esteja aproveitando os únicos minutos de folga que terá no dia para dar uma olhada nas mensagens do Facebook. De repente, percebe que recebeu uma mensagem de um desconhecido. Mais curiosa do que receosa, clica nela. Então, eis que surge em sua tela do computador um pênis ereto com a legenda “Oi, gata, vamos conversar?”.

Agora suponha que você esteja solteira há algum tempo e tenha cedido aos convites de amigos para entrar no Tinder, aplicativo que facilita encontros entre as pessoas. Você não curte muito a ideia, até ‘conhecer’ um rapaz que lhe parece interessante. Vocês trocam mensagens cujo conteúdo parece saído de uma festa de adolescentes: um gracejo sem jeito aqui, uma pergunta sobre a profissão acolá. Despedem-se sem grande entusiasmo. Dois dias depois, ei-la: a foto do pinto. Sem aviso prévio, sem pedido, sem intimidade que possa ter tornado possível a ousadia.

Essas duas histórias aconteceram com amigas minhas, mas são inúmeros os casos de mulheres que reclamam de homens, a maioria estranhos ou apenas conhecidos, que mandam fotos de pênis sem a menor cerimônia. É tão frequente que já virou piada entre as mulheres.

Sempre me surpreendi com a admiração e o orgulho que os homens sentem pelo seu órgão sexual. É uma verdadeira adoração, quase um culto, a ponto de não se constrangerem ao mandar fotos do dito-cujo a desconhecidas que nunca sequer lhe dirigiram a palavra. Tem que ter muita autoconfiança, né?

Desconfio, inclusive, que Freud tenha criado sua teoria sobre a inveja que as mulheres teriam do pênis ao receber uma bronca de uma senhora que não gostou de ver o órgão do médico aparecer sem ser convidado, fazendo o famoso psicanalista pensar: "Ah, não curtiu ver um pinto surgir aleatoriamente na sua frente? Isso porque as mulheres são recalcadas, têm inveja do nosso membro forte e viril!"

Brincadeiras à parte, assim como conheço inúmeras mulheres que recebem essas fotos, não sei de uma sequer que ache isso legal. Porque, sim, algumas de nós (surpresa: não todas!) gostam de pinto, mas do cara de quem elas estão a fim ou pelo menos têm algum interesse sexual. Mandar fotos íntimas tem a ver com aquela palavrinha mágica que muitos homens fazem questão de ignorar: consentimento.

Não consigo deixar de pensar no intuito da foto. Por acaso esses homens acham que alguma mulher vai olhar para ela e dizer: “Ah, que pinto lindo, vou convidar o dono para sair”? Se a estratégia dá certo, desconheço. De todo jeito, posso afirmar que nunca a vi funcionar.

Acredito que certos homens façam isso para afirmar poder. Usam o falo para intimidar, para mostrar que dominam, não para atrair. Além de exibir um enorme desconhecimento da sexualidade humana, que envolve muito mais do que órgãos sexuais, eles parecem dizer: “Vejam como sou viril, macho e poderoso, tenho pinto!”.

Se as mulheres fossem vingativas, exporiam esses homens na internet. Talvez fosse o único modo de constranger os rapazes e impedi-los de continuar a nos incomodar. Por outro lado, era capaz de eles gostarem e começarem a mandar mais fotos. Não sei.

Então, peço encarecidamente: guardem o pau para momentos de intimidade ou pelo menos deixe para exibi-lo quando lhe solicitarem. Por mais orgulho que você tenha dele, ninguém quer começar o dia com sua afirmação de macheza e poder em forma de falo. Quando quisermos, a gente avisa.


*Texto originalmente publicado na página do "Quebrando o Tabu"